Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol...


sexta-feira, 22 de outubro de 2010

.

RB diz: "Você teria coragem de admitir que fez a escolha errada?", em matéria de marido. Mas nada em mim se assusta ou se preocupa com a questão. Sinto-me bem com meu marido: gosto do seu calor e seu tamanho e seu estar-aqui, gosto de suas brincadeiras e histórias e das coisas que lê e do modo como adora pescar e andar e aprecia porcos e raposas e animais pequenos e é honesto, nem um pouco vaidoso ou alucinado pela fama, e como demonstra seu contentamento quando cozinho para ele e sua alegria quando faço algo ou um poema, um bolo, e como fica inquieto quando estou infeliz e quer fazer qualquer coisa para me ajudar a vencer as pelejas da alma e amadurecer com coragem e levesa filosófica. Amo seu cheiro gostoso e seu corpo que encaixa no meu como se tivessem feito na mesma fábrica de corpos, com este propósito. O que são apenas partes, distribuídas aqui e ali para este rapaz e aquele outro, fazendo com que eu goste deles em parte, está tudo reunido em meu marido. Portanto, não quero mais sair por aí procurando: não preciso procurar mais nada.

O que ele não tem? Um emprego fixo que dê sete mil por ano. Uma renda própria. Todas as coisas que um monte de dinheiro compra. Ele tem seu cérebro, seu calor, seu talento e amor pelo trabalho, mas não tem fortuna nem renda fixa. Que Horror.
Ele pode ganhar dinheiro e o fará, quando quiser e precisar. Ele não põe isso em primeiro lugar, apenas. Muitas outras coisas são mais importantes, para ele. Por que deveria pôr o dinheiro antes de tudo? Não vejo motivo.

Portanto, ele tem tudo o que eu posso desejar. Eu poderia ter tido dinheiro e homens com empregos fixos. Mas eles eram chatos, doentes, superficiais ou mimados. Eles me davam ânsia, a longo prazo. O que eu queria estava dentro da pessoa, algo capaz de me fazer sentir perfeitamente feliz ao seu lado, mesmo nua no Saara: alguém forte e amoroso de corpo e alma. Simples e rijo.

Então eu reconheci o que queria quando vi. Precisava, após treze longos anos sem homem capaz de receber meu amor por completo e me dar em troca um fluxo firme de amor, um homem que tornasse perfeito o círculo do amor e fizesse tudo ao meu lado. Encontrei um. Não precisei ceder ou aceitar um gentil vendedor de seguros careca ou um professor impotente ou um médico presunçoso idiota, como minha mãe disse que eu deveria. Agi conforme minhas convicções e casei-me com o único homem a quem poderia amar, e quero vê-lo fazer o que bem entender neste mundo, e quero cozinhar e ter filhos e escrever a seu lado. Eu fiz exatamente o que minha mãe disse para não fazer. Eu não cedi. E era, para todos os efeitos, feliz com ele, minha mãe pensava.

Isso deve deixar minha mãe atônita. Como posso ser feliz, tendo feito algo tão perigoso como seguir meu próprio coração e minha mente, apesar de seus conselhos experientes e a desaprovação de Mary-Ellen Chase e da fria censura dos olhos pragmáticos norte-americanos: Mas o que ele faz na vida, afinal? Ele vive, minha gente. É isso que ele faz.

Muito pouca gente faz isso hoje em dia. É arriscado demais. Para começar, é uma tremenda responsabilidade ser você mesmo. É muito mais fácil ser outra pessoa ou ninguém. Ou entregar a alma a deus feito Santa Teresa e dizer: Meu único temor é seguir meus próprios desejos. Faça isso por mim, ó Deus.

Trecho: Sylvia Plath, Diário.

.
.

17 comentários:

Ana Agarriberri disse...

Belo texto guri. Riscos foram feitos pra serem assumidos por alguém, não é? Geralmente por aqueles mais felizes. Que normalmente escolhem a simplicidade como forma de vida. Boa reflexão o post. Beeejo,beeejo. Bom final de semana. :)
Obrigada por aparecer e comentar lá no Molhe-se, sempre bem vindo.

Winny Trindade disse...

Nossa, nossa, nossa!!!
Muita verdade junta. Desejo, um dia, me descobrir ao lado de alguém assim como o marido do texto.

Abraço meu.

'Lara Mello disse...

Eu amei o texto..Eu morro na vida das pessoas, pelo que eu sou, e não mudo de jeito nenhum..Só o lance de amor que desacredito..Casei desse troço! Bju

Walquiria disse...

Contrariei minha mãe, meu pai... e não tive tanta sorte assim. Ainda estou cheia de cicatrizes e traumas.
.......................
Reli o texto várias vezes e fiquei me perguntando: Quem não precisa de "alguém forte e amoroso de corpo e alma'?

Enfim...

Bjs doces

*Mi§§ §impatia* disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Denise Portes disse...

Leo,
Lindo texto.
O amor com todas as suas cores e com todos os sabores diferentes.
Beijo
Denise

Nini C . disse...

Muito lindo. Adoro vir aki.

Lu disse...

Leo e sua sensibilidade ímpar...
Vir aqui é pensar e repensar momentos, horas, dias, escolhas, vidas inteiras...
Infelizmente, acho que, mais do que medo de seguir os próprios desejos, não temos coragem pra isso.
Beijos!!!

Patrícia Vicensotti disse...

Perfeito,Leo!
Você com teu bom gosto inconfundível...

Bjos :)

Lívia Azzi disse...

Amei Leo!!

Segundo trecho de Sylvia Plath que leio e novamente por seu intermédio!! Encantei-me mais com este que o primeiro...

E fiquei com vontade de ler o "Diário" todo dela!

Um beijo!!

Maíra Souza disse...

As vezes a gente tem seguir o próprio coração e mente, apesar de conselhos experientes e a desaprovação de outras pessoas.

O lance é arriscar!
Quem sabe se arriscando o amor não vem do jeito que a gente quer?!. ;)

Gostei muito do texto!
Bom post.

BjO moço

Ana SS disse...

Só disfarçado é que sou eu. Fernando Pessoa.

Tatiane Lemos disse...

Oi menino, a simplicidade é tudo na vida! Mais rica e maravilhosa a vida que é simples!

Beijos grandes no seu ♥

Naia Mello disse...

é mais fácil dar conselhos aos outros, Mas quando o assunto é a gente....

Flor de Lótus disse...

Oi,Leo!Nossa que belo trecho, são tão poucas as pessoas que tem coragem e ousadia de viver pelnamente de irem em busca do que acredita, é tão bom saber que ainda há pessoas que acreditam nisso e ousam fazer isso.
Uma ótima semana!
Beijos

Silviah Carvalho disse...

Muito bom o texto, passei para conhecer seu blog e gostei muito, já sigo.Tudo de bom.

http://umcoracaoqueama.blogspot.com

esferografia disse...

Salve Leo, :)
Escolhas são coisas complicadas, mas sem escolha não há vida. E ninguém pode escolher por nós, nós que vamos viver com o peso delas, por isso é que é tão importante para nós.
Escolher um homem que sabe viver, é perfeito, não adianta ter dinheiro, beleza , saúde e não saber o que fazer com tudo isso... Eu gosto muito da Sylvia Plath e do teu santinho também. Ainda colocarei no meu santinho muitas fotografias e poesias... :)