Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol...


terça-feira, 23 de novembro de 2010

.

Se todos os rios são doces, de onde o mar tira o sal?
Como sabem as estações do ano que devem trocar de camisa?
Por que são tão lentas no inverno e tão agitadas depois?
E como as raízes sabem que devem alçar-se até a luz e saudar o ar com tantas flores e cores?
É sempre a mesma primavera que repete seu papel?
E o outono?... ele chega legalmente ou é uma estação clandestina?

Pablo Neruda

.

20 comentários:

*Mi§§ §impatia* disse...

Ah adoro Neruda, um dos meus preferidos, bela escolha.
Ah e tudo chega e aconteça na hora certa, naturalmente. Mas muitas das vezes nem nos damos conta quando elas acontecem.


PS: Foi isso que leu nas entrelinhas? tá incompleto.
Beijos.

ErikaH Azzevedo disse...

O outono talvez não seja uma estação mas sim um modo de ser...bons são aqueles que permitem perder-se em folhas, renovar-se , e só então saber-se florescer.

Menino sonho..adorei o texto, se perguntar é o caminho no querer se descobrir.

Bjos Léo

Erika

Ana SS disse...

Ai, lindo-de-doer é Neruda.

Winny Trindade disse...

Adoro Neruda!!

Lindo.

Abraço meu.

Maíra Souza disse...

Acho que pouca gente para pra pensar sobre isso. Pouca gente se importa em sabe os "porquês".
Mas não deixa de ser lindo e de certa forma, misterioso.

Neruda! =)
Li pouca coisa dele, mas o que li, gostei.
Escolha boa!

BjO

Mila disse...

Olá Leo!

Pablo é sempre uma bela escolha...
Adorei seu espaço, te encontrei pela blogsfera, gostei e fiquei...


Bjs

Mila

Denise Portes disse...

Leo querido,
Esse renovar em nós, nos enche de esperança e dai sempre vem a força pra seguir. Muitas esperanças no seu renovar.
Beijo
Denise

MariAne disse...

Se há respostas a tantas perguntas, não saberia dizê-lo, mas é certo que enquanto houverem perguntas haverá para que viver!

'Lara Mello disse...

O Paulo é especial..Assim como seus texto! Amo

Macabea disse...

Belissimo blog.

Seguindo-te.

Apareça lá no meu cantinho quando quiser.

:)

Liza Leal disse...

Oi Leo!

C/esse texto lindíssmo me pus a pensar nos primeiros gestos de revolta da natureza devido a incompreensão humana. Fora isso, estaria tudo em sua perfeita ordem.

Adoro estar aqui.

bj
.
LiZZa

Lívia Azzi disse...

Voltei, voltei!! Saudades!!

Esplêndido fragmento de Neruda, e já nem sabemos ao certo que estação que estamos nessa misturada de ventos e temporais, frio e calor, folhas e flores... Mas que elas mudam, mudam!

Um beijo!

Tatiane Lemos disse...

Nossa Leo, essas questões fazem a gente pensar, até no sentido da vida, ñ?

Beijos menino, saudades!

Meu blog está com um problema, e por isso não aparece a atualização na pagina dos amigos, mas peço que mesmo assim não deixe de me visitar.

Never Say never love! disse...

Leooo saudades de vc querido... aiiin nem sei oque falar desse texto.. eu adoro tanto as coisas que ele escreve!
Aiai... hj é sexta... otimo fds! bjokas

Érica disse...

Nós somos as estações clandestinas... nós é que modificamos o nosso espaço. Você o faz lindamente.

BJO

Natalie disse...

Tem selo pra voce lá no blog :)

Nini C . disse...

Olá querido. Queria te agradecer pelo carinho ao blog... E te pedir pra desculpar minha ausencia. Não tenho tido muito tempo, mas sempre que tiver virei por aqui. Adoro Neruda. Beijos...

so sad disse...

misterios de Deus...ou da Natureza?
beijos

Michele P. disse...

Sou fã do Neruda, mas também de você, pelas belas escolhas textuais que faz.

Naia Mello disse...

é clandestino.