Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol...


segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

.



Indubitavelmente, raríssimas pessoas compreendem o caráter puramente subjetivo desse fenômeno em que consiste o amor e como é o amor uma espécie de criação de um indivíduo suplementar, distinto daquele que usa no mundo o mesmo nome, e que formamos com elementos tirados na maioria de nós mesmos.

Texto: Marcel Proust
Arte: Frank Dicksee

.

21 comentários:

Elaine Castro. disse...

Indubitavelmente, rsrsrsr, eu acredito também não o compreender.
Me explique Leo, o que fazes para espantar o seu tédio? Cusiosidade poética, rsrsrsrs.

Beijinhos.

'Lara Mello disse...

Confundiu minha cabeça..Rs!
Não vamos tentar entender o amor..FATO#

Bju

*Mi§§ §impatia* disse...

Se um dia vc conseguir entender....me explica.....
Beijos.

Gabii Assis disse...

feliz por imaginar esse sorriso ai...
obrigada msm, bom saber que pessoas que tem um blog tão legal, bem visitado, se importa com quem está apenas começando...

se te admirava, ganhastes uma fã nº1!

=*

Denise Portes disse...

Leo,
É isso que esse sentimento maravilhodso faz com os nossos corações.
Um beijo
Denise

MariAne disse...

Amor não pode ser comprado, ele nasce sem razão
O amor não pode ser dominado, ele tem vida propria
Subjetivamente instalado no emaranhado de cada ser...

Lívia Azzi disse...

Com o Proust, você nos "transportou" para outro mundo, Leo!

Ps. Respondi lá no post da Lara

Leka disse...

Paz Leo!

Passei pra te convidar pra conferir alguns papéis de parede que fiz colocando versículos...não são aquelas paisagens naturais não...são um pouco diferentes! Hehehehe! Tá lá na página Walpapers!

bjuuuus!

Dave disse...

Realmente... Uma puta questão... De qualquer maneira descobrindo, favor dividir com a humanidade, rsrsrs.

Déborah Arruda. disse...

Talvez não saber seja o que faz sentido. Ou não. Obrigada pela visita, Leo! Retorne sempre.

Da cabeça até aos pés disse...

Acho que o amor, nunca sera um "conceito" definivel, pois todos o definimos de maneira diferente dependendo da nossa vivencia. Sou da opiniao que o amor é gerado numa vivencia a dois e construida com o tempo :D
estupido aquilo, talvez egoismo meu ssera dizer, que invoca tal sentimento em vao :D

Karlinha Ferreira disse...

Que bom gosto vc tem!

Beijos...

Adorei!

Tamires Buliki. disse...

Hoje em dia o amor anda mais banalizado e retorcido que, muitas vezes, nem conseguimos distinguir de outros sentimentos...
Beijo!

Papéis ONline disse...

primeiro quero dizer que estou te seguindo
e depois que a imagem do layout é lindo
o verso é lindo
e tua qualidade literária é maravilhosa
Também quero te convidar para passar pelo papéis que é um espaço para difusão dos novos literatos, Estamos com seletiva aberta. Também divulgamos Concurso de poesias e informações interessantes para todos que fazem a nova literatura brasileira

http://papeisonline.blogspot.com/

Thiago Ya'agob disse...

Boa noite

Rapaz, fiquei confuso com esse texto (até te adicionei no seu messenger ontem para te indagar sobre esse escrito).

Estou perdido nessas palavras.

Lembrei de uma frase de Guimarães Rosa sobre esse seu post de Marcel Proust - é sobre o amor. É uma amenizada à confusão dos sentimentos... mas ainda estou confuso com seu post.

Tangerina disse...

seria bom ser raríssima.


abreijos Leo.

Striptease do pensamento disse...

realmente o que é o amor? será que devemos nos perguntar???

Matheus N. disse...

muito mais lá que cá.

o fenômeno subjetivo, não a subjetividade do fenômeno..

mas que a gente cria, a gente cria.

tomdenuance disse...

O problema é cada um ama de uma forma original. Entender isso como? Minha forma de amor pode não ser a sua, e assim sucessivamente. Mas de que importa? Se o amor contagiasse o mundo, não precisaríamos entendê-lo e sim senti-lo.

Liza Leal disse...

Que sublime... e rico, teu post!
=)

bj
.
LizZa

Naia Mello disse...

Tudo está dentro de nós. Incluindo o amor.