Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol...


sábado, 20 de março de 2010

Tomara eu que fosses permanente e bem fundado, que fosses fiel.
Fiel é uma pessoa, em primeiro lugar, para consigo própria.
Que podes esperar da traição? Os laços que te hão de reger, que
te hão de animar, que te darão sentido e luz levam longo
tempo a atar. Repara nas pedras do templo. Deus me livre de voltar
a espalhá-las todos os dias, na pretensão de obter templos
melhores. Se trocares a propriedade por outra talvez melhor na
aparência, perdeste qualquer coisa tua que nunca mais voltarás
a encontrar. Por que será que te aborreces na casa nova? Se ela é
mais cômoda e corresponde melhor aos teus desejos do que
a outra, tão desprezível!... O poço deixava-te os braços doridos.
Sonhavas com uma fonte. Aí tens a tua fonte. Mas falta-te, daqui
para o futuro, o cântico da roldana e a água tirada do ventre da terra,
que cintilava ao sol.
Saint-Exupéry
.
.

Um comentário:

Renata Bezerra disse...

Texto de uma simplicidade e beleza ímpares, típico de Saint-Exupéry...

Sim, Leo, sou fiel às minhas lembranças. O novo não apaga o antigo. Cada coisa é o que é. Substituível chega a ser uma palavra triste.

Beijo, ótimo domingo.